Como descobrir se o mel produzido é falso ou verdadeiro?

Bolo de mel, café e nozes
10 de fevereiro de 2017
Frango assado com mel, mostarda e curry
3 de março de 2017

O mel é consumido antes mesmo da Grécia Antiga, mas atualmente alguns insistem em falsificá-lo. Saiba como evitar essa armadilha.

000_par7824915Atenas: cozinheiro serve iogurte com mel e nozes em restaurante

Muitos anos antes de Cristo, na Grécia Antiga, o mel era chamado de “ambrósia” pelo povo helênico e desse modo, era um alimento reservado aos próprios deuses. Tanto é assim que na mitologia riquíssima desse país milenar do Mediterrâneo, existem narrativas de que o maioral dos deuses, Zeus, quando era ainda muito jovem, foi salvo do seu pai homicida Cronos, graças a intervenção das ninfas gregas, Melissa, Adrasteia e Amalteia, que o alimentaram em segredo com mel e leite.

Mas, independente da origem dessa substância e da mitologia dos gregos, a tradição popular confere ao saboroso alimento produzido pelas abelhas desde propriedades afrodisíacas a ser ele uma das fontes da juventude eterna.

Bom para a saúde

A matéria-prima do composto é obtida basicamente pelas abelhas quando essas “colhem” o néctar das flores ou mesmo das folhas e caules de certas árvores. A sua composição básica é água, açúcares como frutose e glucose, proteínas e muitos sais minerais e ainda vitaminas indicadas para a manutenção da boa saúde dos indivíduos que o consomem.

Os cientistas e apicultores sempre fazem questão de valorizar as propriedades terapêuticas e o alto poder concentrado de energia contido no mel, o qual pode substituir o açúcar em alguns alimentos e sucos.

Por outro lado, na contramão dessas boas notícias, alguns produtores e comerciantes inescrupulosos se dão ao despropósito de falsificar em grande escala o alimento. Mesmo com leis estabelecidas pelos governos para fiscalizar a eventual falsificação do alimento, diante da quantidade do produto adulterado, algo não está funcionando como o esperado.

Assim, é melhor seguir algumas orientações bem simples para não cair no conto de comprar mel falsificado e de baixa qualidade, que inclusive ao invés de ajudar, pode piorar a saúde de uma pessoa.

7 dicas para comprovar a veracidade do mel:

  1. O mel verdadeiro sempre se cristaliza com o passar dos meses, caso isso não ocorra, ele é 100% falso;
  2. O produto de falsificação, geralmente é mais aquoso do que o verdadeiro. Para comprovar, mergulhe um palitinho no mel e se escorrer um fio ininterrupto, ele é original. Se descer rapidamente, é falso.
  3. Outra dica é adicionar 1 colher de sopa de mel e mais 3 três colheres de sopa de álcool puro em um vasilhame aquecido em banho-maria. Após a mistura aquecida, o mel autêntico se dissolve e o falso produzirá uma mancha branca no fundo do recipiente;
  4. Se gotas pingadas de mel em uma folha de papel não forem absorvidas depois de alguns minutos pela celulose, isso significa que ele é verdadeiro. O produto adulterado tem uma grande quantidade de água, sendo absorvido rapidamente pelo papel;
  5. Poderá esfregar o mel entre os dedos, o qual sendo verdadeiro é incorporado na pele. O mesmo não acontece com o falso, cheio de edulcorantes artificiais e açúcares, fazendo com que a pele fique grudenta;
  6. Mel original despejado em um copo de água irá para o fundo do copo na forma de um coágulo. Já o mel falso simplesmente se dissolve;
  7. Ao passar mel no pão, esse último fica duro, atestando que o produto é verdadeiro. Caso o pão só umedeça, o mel é falso, demonstrando que tem muita água na sua composição;

Via

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *